halito

O problema afeta cerca de 40% da população brasileira, segundo a Associação Brasileira de Pesquisa dos Odores Bucais. As causas são diversas e vão desde doenças respiratórias, como a faringite, amigdalite, bronquite e sinusite; doenças gastrointestinais, como refluxo, esofagite e infecções; até diabetes e insuficiência renal. Mas, a principal causa da halitose, responsável por 90% dos casos, são as doenças relacionadas à boca.

O tratamento primário deve ser baseado na causa, daí a necessidade da pessoa procurar ajuda profissional, para que se faça um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

Os enxaguatórios bucais devem ser usados com cautela, evitando aqueles com alta concentração de álcool, pois podem agravar o quadro de halitose por causarem uma descamação das células da mucosa bucal e da língua.

Outro cuidado necessário é a ingestão suficiente de água, para manter um fluxo salivar adequado e evitar acidez e refluxo, prevenindo assim, o mau hálito. Na dúvida, não hesite: procure um dentista e livre-se desse problema.